DESTAQUES

Tecnologia do Blogger.

ELEIÇÕES 2020

GIRO POLICIAL

BOM CONSELHO

COVID 19

FATOS E FOTOS

ECONOMIA

EDUCAÇÃO

SAÚDE

SERVIÇOS

TURISMO

MEIO AMBIENTE

COLUNA ENSAIO GERAL

COLUNA OPINIÃO

COLUNA VLV ADVOGADOS

» » » Como é o processo de adoção?


Se você deseja adotar uma criança, será preciso seguir alguns passos determinados pela Justiça, que visam o melhor interesse do menor. 

Assim, a primeira atitude a ser tomada é procurar a Vara da Infância e da Juventude da sua região para saber a relação de documentos necessárias para dar entrada em um processo de adoção.
Ainda assim, normalmente, você terá que providenciar:
        RG e CPF;
        Certidão de Casamento (ou nascimento, em caso de pessoas solteiras);
        Comprovante de residência;
        Comprovante de renda ou declaração equivalente;
        Atestados de sanidade física e mental;
        Certidão negativa de distribuição cível;
        Certidão de antecedentes criminais.
Podem haver outros documentos necessários, portanto, é extremamente importante procurar a Vara da Infância e da Juventude para ter a relação completa do que é necessário.

Além disso, é obrigatória uma diferença mínima de 16 anos entre você e a criança que pretende adotar, portanto, é importante se atentar para esse detalhe.
Então, com os documentos em mãos, é possível dar entrada no processo de adoção. Nesse momento, apesar de não ser obrigatória, a presença do advogado é interessante para garantir seus direitos e te orientar melhor em todas as etapas do processo. 

A partir daí, a pessoa que deseja adotar uma criança passará por uma avaliação de uma equipe interdisciplinar e participará do programa de preparação para adoção, para que a autoridade judiciária competente avalie o perfil.

Caso seu perfil seja aprovado pela Vara da Infância, você será habilitado e passará a constar no Cadastro Nacional de Adoção, o qual tenta encontrar famílias para as crianças disponíveis para adoção.

É importante lembrar que caso ocorra a adoção, o filho adotado terá os mesmos direitos dos filhos biológicos como herança, sendo, inclusive, herdeiro necessário, e pensão alimentícia em casos de divórcio. Além disso, a guarda dele também será compartilhada, caso a relação dos pais adotivos chegue ao fim.

Setor de Comunicação
Escritório de Advocacia Valença, Lopes e Vasconcelos


«
Anterior
Postagem mais recente
»
Próximo
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião sobre essa matéria: