DESTAQUES

Tecnologia do Blogger.

ELEIÇÕES 2020

GIRO POLICIAL

BOM CONSELHO

COVID 19

FATOS E FOTOS

ECONOMIA

EDUCAÇÃO

SAÚDE

SERVIÇOS

TURISMO

MEIO AMBIENTE

COLUNA ENSAIO GERAL

COLUNA OPINIÃO

COLUNA VLV ADVOGADOS

» » » » Educação a distância avança no ensino superior do Brasil

O ensino superior a distância no Brasil ganhou força nos últimos anos e, desde o ano passado, solidificou terreno. O número de novas matrículas na modalidade remota ultrapassou aquelas do presencial, aponta levantamento da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), em parceria com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights. A representante do setor privado no país aponta o mesmo cenário em Minas Gerais, que, em 2018, último dado disponível, registrou redução de 3,1% na quantidade de alunos que assistem às aulas diante da lousa e aumento de 15,6% no total daqueles que optam por se formar pela tela do computador. 

Os números oficiais de 2019 serão confirmados pelo Censo de Educação Superior, previsto para ser divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) no segundo semestre. Em no máximo dois anos, a expectativa é de que a educação a distância seja responsável pela maior parte dos universitários do país. E esse caminho se consolida ainda mais no cenário da pandemia. Semana passada, o MEC prorrogou até 31 de dezembro a autorização para que o ensino presencial seja substituído pelas aulas remotas por meios tecnológicos e digitais.

A estimativa da Abmes é de que em 2019 o número de novas matrículas em EAD tenha ficado em cerca de 1,66 milhão, contra 1,48 milhão da modalidade presencial. Para fazer a projeção, o estudo desenvolveu uma metodologia baseada em históricos recentes para projetar o mercado de educação superior no curto, médio e longo prazos. Foram consideradas as variações dos indicadores acima descritos entre os anos de 2014 e 2015, que apresentaram aumento de taxa de desemprego, e entre os anos de 2017 e 2018, que registraram queda na taxa de desemprego no curto prazo.

O domínio da EAD já estava no radar, sendo previsto anteriormente para 2023. Mas a pandemia do novo coronavírus, com suas consequências sociais e econômicas, terá papel decisivo também no ensino superior. É o que mostra a terceira etapa da pesquisa “Coronavírus e educação superior: o que pensam os alunos e perspectivas”, que mede os impactos da pandemia da COVID-19 nesse ciclo da educação.

O agravamento da situação econômica, com a queda do índice de emprego e renda da população brasileira, vem provocando um crescimento exponencial da EAD, que tem mensalidades bem mais acessíveis, além de maior flexibilidade para conciliar trabalho e estudo. Outro fator, também em virtude da pandemia, é o aumento da oferta de cursos de graduação 100% on-line ou híbridos (parte é feita virtualmente), considerado, mesmo em atraso, um caminho sem volta. 

*Estado de Minas

«
Anterior
Postagem mais recente
»
Próximo
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião sobre essa matéria: