/> A falta de infraestrutura de saneamento nas cidades gera graves consequências - JB NOTÍCIAS

DESTAQUES

Tecnologia do Blogger.

ELEIÇÕES 2020

GIRO POLICIAL

BOM CONSELHO

COVID 19

FATOS E FOTOS

ECONOMIA

EDUCAÇÃO

SAÚDE

SERVIÇOS

TURISMO

MEIO AMBIENTE

COLUNA ENSAIO GERAL

COLUNA OPINIÃO

COLUNA VLV ADVOGADOS

» » » » A falta de infraestrutura de saneamento nas cidades gera graves consequências


Estudo realizado pelo Instituto Trata Brasil (ITB) sobre a situação do saneamento no país, mostra o impacto na renda, no desenvolvimento e na saúde. E ainda os impactos com gastos hospitalares, a produtividade do trabalho e no desempenho dos estudantes (quando se fala saneamento é bom, estamos falando em água e esgoto).
A falta de infraestrutura de saneamento nas cidades gera consequências relevantes tanto na economia como sociais, o estudo do ITB mostra que as pessoas que têm acesso aos serviços mínimos de saneamento têm indicadores bem acima das que vivem em áreas onde não existem esses serviços:   
Impactos
Com saneamento
Sem saneamento
Brasil
Renda   R$
2.947
501
Sem tratamento
Escolaridade
9,7 anos
5,6 anos
46,9%
Enem
531 pontos
482 pontos
Aluguel médio
795
178




Nordeste
Renda   R$
2.426
415
Sem tratamento
Escolaridade
9,13 anos
5,2 anos
72%
Enem
517,1 pontos
475,5
Aluguel médio R$
553
165

Os dados em cidades como Garanhuns, onde a taxa de tratamento de esgoto é menor que 15%, mostram o efeito na renda que cai de R$ 2.023 para R$ 437 dos que não têm saneamento. O que se repete nos aluguéis caindo de 630 para 175.
Em Bom Conselho a situação pode ser confirmada até pelo olhar observador de qualquer pessoa. Pois sabemos da falta constante de águas nas torneiras, com ciclo de até 10 dias para sem fornecimento, além da falta de saneamento. Aqui a renda média das poucas pessoas com carteira assinada é de R$ 1.800, das pessoas cai no mesmo patamar de R$ 400 reais para os que vivem nas áreas sem nenhuma condição de saneamento.
É inacreditável que o país que é a oitava maior economia do planeta continue com indicadores de saneamento básico piores que países como a Bolívia, Peru e Chile, e continue valendo a máxima para governantes de que obra debaixo do chão ninguém vê, revelador de como é o trato desta questão por gestores de todas as esferas poder no Brasil. Enquanto isso, o lixo e o esgoto continuam sendo jogados nos rios e mares, mais a convivência com a falta d’água em muitos lugares, mesmo o Brasil sendo a maior reserva de água do mundo com mais de 12% de toda água potável do mundo.

Piúta

«
Anterior
Postagem mais recente
»
Próximo
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião sobre essa matéria: