DESTAQUES

Tecnologia do Blogger.

BOM CONSELHO

PREFEITURA

EDUCAÇÃO

GIRO POLICIAL

FATOS E FOTOS

ECONOMIA

ESPORTES

SAÚDE

SERVIÇOS

TURISMO

MARCELO DI GIUSEPPE

COLUNA OPINIÃO

COLUNA ENSAIO GERAL

COLUNA VLV ADVOGADOS

» » IBGE aponta que mulheres brasileiras estão tendo filhos mais tarde


As mulheres brasileiras estão esperando mais tempo para serem mães e priorizando a gestação após os 30 anos de idade. Os dados são confirmados pelas Estatísticas do Registro Civil, divulgadas nesta quarta-feira (4), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados consideram as crianças registradas em 2018.

Na pesquisa divulgada, houve uma progressiva mudança na estrutura de faixa etária em que as mulheres têm filhos nas últimas duas décadas. De 1998 a 2018, os percentuais de nascimentos cujas mães tinham até 24 anos caíram, enquanto houve elevação nas faixas etárias entre 30 e 44 anos.

Em 1998, os nascimentos de crianças eram registrados de mães predominantemente jovens, com 51,8% dos nascimentos gerados por mães com idades até 24 anos. Em 2008, houve diminuição relativa dos nascimentos com mães nessa faixa, representando 47,9%, e, em 2018, caiu para 39,4%.

Na faixa entre 25 e 29 anos, a oscilação nesse período foi menor, com aumento de 1998 a 2008, de 24,2% para 25,2%, e queda para 23,7% em 2018. A partir dos 30 anos, as proporções de nascimentos se elevaram, saindo de 24,1% em 1998 e chegando a 36,6% em 2018.

Regiões
As diferentes regiões do Brasil expressam realidades desiguais entre si, não só em termos sociais, econômicos, mas também demográficos. Na região Norte, constatou-se o maior índice de registros de nascimentos de crianças cujas mães tinham até 24 anos. Por outro lado, tanto na região Sudeste como na Sul, observaram-se as maiores proporções de nascimentos cujas mães tinham idades entre 30 e 39 anos.

Com informações do IBGE

«
Anterior
Postagem mais recente
»
Próximo
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião sobre essa matéria: