Tecnologia do Blogger.

DESTAQUES

VÍDEOS DO YOUTUBE

POLICIAL

DIVERSOS

SAÚDE

ECONOMIA

ESPORTES

NOVIDADES

EDUCAÇÃO

COLUNISTAS

Água Lucinda
JB Eletrônica
» » » Caso Daniel: Jogador mandava fotos de mulheres no WhatsApp, diz amigo


O jogador Daniel Corrêa participava de um grupo de WhatsApp com amigos, no qual costumavam compartilhar fotos de mulheres com quem faziam sexo. A informação consta no depoimento de um desses amigos à polícia, ao qual o UOL Esporte teve acesso.

No último sábado, o atleta que tinha contrato com o São Paulo e defendia o São Bento de Sorocaba, tirou e compartilhou no aplicativo fotos ao lado de uma mulher que parece ser Cristiana Brittes, esposa de Edison Brittes Júnior, conhecido como Juninho. Minutos depois, Daniel foi espancado e morto. Preso na quinta-feira (1º), Juninho Brittes confessou o crime, disse seu advogado de defesa.

Em depoimento à polícia, um amigo "de longa data" do meia afirmou que, no grupo de WhatsApp, os rapazes geralmente tiravam a foto "no momento que a mulher estava dormindo." Em reproduções da tela de celular de um dos rapazes, anexadas ao inquérito policial, Daniel aparece compartilhando fotos de si mesmo ao lado de uma mulher dormindo, aparentemente Cristiana.

A defesa de Edison Brittes afirma que ele cometeu o crime porque Daniel teria tentado estuprar sua esposa. A polícia ainda investiga o caso. "A tentativa de estupro nós vamos apurar quando formos ouvir a vítima", disse o delegado Amadeu Trevisan, se referindo à mulher do suspeito.

"Vamos ver se houve ou se ele [Daniel] simplesmente deitou ao lado da cama e tirou a fotografia. O que nós temos da mulher e dele é apenas a foto que o Daniel tirou. Pela foto, sem movimento, ela está dormindo, desacordada. As mensagens indicam que a vítima é muito imatura pra estar ali deitado com a mulher e mandado as fotos pros amigos. Essas coisas quando saem perdem o controle."

Trevisan falou em reação desproporcional contra o jogador:

"Mesmo que tenha havido uma tentativa de estupro o que é preciso entender é que a resposta dele [Juninho] foi totalmente desproporcional", afirmou o delegado. "Ainda que tenha havido estupro ele jamais poderia ter agido dessa forma. Foi um exagero."


O corpo de Daniel foi encontrado em uma plantação de pinos sem o pênis e parcialmente degolado. Uma testemunha ouvida pela reportagem relatou o que viu no momento do espancamento e disse que foi ameaçada pelo suspeito.

Juninho, Cristiana e a filha Allana, que comemorava 18 anos na sexta véspera do crime, foram presos temporariamente. A polícia não descarta indiciar inclusive as mulheres por participação no crime. Segundo o delegado, outros três homens que teriam ajudado Juninho a espancar e torturar Daniel foram identificados e devem ter o mandado de prisão expedido em breve.

Daniel tinha 24 anos quando foi morto. Considerado tímido por seus amigos, ele foi revelado na base do Cruzeiro, se profissionalizou no Botafogo e estava emprestado ao São Bento de Sorocaba para a disputa da Série B. Como não vinha sendo relacionado, foi a Curitiba para encontrar amigos e participar da festa de aniversário.

O funeral aconteceu na quarta-feira, em Conselheiro Lafaiete (MG), onde ele passou parte da infância.

«
Anterior
Postagem mais recente
»
Próximo
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião sobre essa matéria: