Tecnologia do Blogger.

DESTAQUES

TV WEB JB NOTÍCIAS

POLICIAL

DIVERSOS

SAÚDE

EVENTOS

ESPORTES

NOVIDADES

EDUCAÇÃO

POLÍTICA

PREFEITURA

» » » » » » TRIBUNA LIVRE: Bom Conselho, fatos históricos e emancipação

Bom Conselho, fatos históricos e emancipação


José Roberto Pereira

Não existe nada mais gostoso e gratificante do que escrever sobre a história do seu município, história esta que deveria ser contada na grade curricular. Vamos aos fatos históricos!

O grande general estrategista e vencedor da 1ª Batalha dos Guararapes, Francisco Barreto de Menezes não era brasileiro e apenas meio sangue português, pois, era filho bastardo de uma peruana com o morgado do Quarteira.

Seu pai o reconheceu e foi educado em Portugal. Tão grande foi sua fama pela vitória obtida sobre os holandeses que a Coroa Portuguesa o nomeou Governador Geral do Brasil com sede em Salvador. Ficando como Governador da capitania de Pernambuco e Capitanias anexas o paraibano de alma pernambucana o André Vidal de Negreiros que tomou posse em 26 de março de 1657. Vaidoso e grande homem de armas, o André Vidal de Negreiros lutava para transformar Pernambuco numa República Livre e não acatava as ordens do Governador Geral o Francisco Barreto.

Houve o impasse e para resolver esta situação foi enviado da Bahia para Pernambuco o Comendador e Ouvidor Geral Cristóvão de Burgos e Contreiras junto com seu compadre e amigo Coronel Nicolau de Aranha Pacheco o qual com o seu regimento foi transferido para Recife. A Coroa de Lisboa deu maior autonomia a Pernambuco e ao seu Governador André Vidal de Negreiros. Após resolver esta situação, a Corte de Lisboa ofereceu ao Cristóvão de Burgos e Contreiras uma sesmaria que corresponde hoje aos municípios de Bom Conselho, Quebrangulo e Palmeira dos Índios. Ao Nicolau Aranha Pacheco as terras do Quilombo Castainho, hoje Garanhuns.

Estamos no apogeu (1660) do Quilombo dos Palmares (1595 a 1695) e aqui quem mandava no Quilombo era Pedro Papacaça. O Quilombo dos Palmares compreendia 27 mil km2 quadrados de terras que iam do Cabo de Santo Agostinho até Penedo em Alagoas. O Quilombo de Pedro Papacaça dificultava a posse da sesmaria do Comendador e só após a morte de Zumbi em 1695 é que a região passou por um momento de paz fazendo com que os herdeiros do Comendador vendessem parte da sesmaria a família Costa Vilela em 1710 dando início a povoação do que é hoje nossa Bom Conselho.

Sua emancipação do município de Correntes foi pela Lei 35 de 3 de agosto de 1892, sendo seu primeiro Prefeito o Coronel Maximiliano Vilela. A data de emancipação era comemorada erradamente em 28 de dezembro (data da posse do Prefeito). Reuni alguns documentos, fiz um pronunciamento na Câmara, sobre a data correta, e com total apoio dos vereadores e da sua então Presidenta Léa Ramos, foi elaborado um Projeto de Lei colocando a data correta da nossa emancipação.

É uma pena que na data da nossa emancipação não haja uma festa cívica com a presença de bandas marciais, desfile do Batalhão do Exército de Garanhuns, oficinas sobre a nossa história.
Isto é o que chamamos de Nativismo.


«
Anterior
Postagem mais recente
»
Próximo
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe sua opinião sobre essa matéria: