O Caboclinho pernambucano passou a ser considerado Patrimônio Cultural do Brasil



Caboclinhos é uma dança folclórica executada durante o Carnaval, em Pernambuco e Paraíba, por grupos fantasiados de índios que, com vistosos cocares, adornos de pena na cinta e nos tornozelos, colares, representam cenas de caça e combate. O Caboclinho pernambucano passou a ser considerado Patrimônio Cultural do Brasil nesta quinta-feira (24), após votação unânime no Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural. Uma das manifestações populares mais tradicionais do estado, a prática é marcada por forte presença religiosa afro-indígena-brasileira. A reunião, que ocorre anualmente para avaliar os pedidos de tombamento, foi realizada na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília.


Estruturalmente, o caboclinho está ligado à prática da Jurema, religião que une elementos de matriz africana e indígena. Os "caboclos", entidades espirituais, são celebrados por meio dos instrumentos musicais e pela dança, característica da expressão. Presente em uma área que vai de Pernambuco ao Rio Grande do Norte, o Caboclinho se estende pelo Nordeste com performances de rua e, especialmente, no carnaval.
Em Pernambuco, de acordo com o Iphan, existem cerca de 70 grupos de Caboclinho. No bairro de Água Fria, Zona Norte do Recife, o Caboclinho Sete Flexas foi fundado no dia 7 de setembro de 1971 e é um dos principais da capital. Idealizado por Zé Alfaiate, que faleceu duas semanas antes do reconhecimento do Iphan. "A vontade que ele tinha era essa. Eu, agora, tenho que acompanhar o que ele gostava. Vou até onde Deus quiser", disse Marlene, viúva do falecido fundador.

A solicitação para que o Caboclinho fosse protegido federalmente foi apresentado ao Iphan pela Secretaria de Cultura de Pernambuco, com a anuência dos representantes e membros da comunidade desse bem cultural.

A performance dos caboclinhos ocorre geralmente nas ruas com indumentária específica e sendo composta por dança e música. Os participantes se apresentam, geralmente, dançando em duas filas, cada um deles portando uma preaca, que é instrumento musical em forma de arco e flecha.

O Conselho que aprovou registro de título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil é formado por especialistas de diversas áreas, como cultura, turismo, arquitetura e arqueologia.
Ao todo, são 23 conselheiros que representam instituições como o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), a Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Ministério da Educação, o Ministério das Cidades, o Ministério do Turismo, o Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e mais 13 representantes da sociedade civil, com conhecimento nos campos de atuação do Iphan.


O Caboclinho pernambucano passou a ser considerado Patrimônio Cultural do Brasil O Caboclinho pernambucano passou a ser considerado Patrimônio Cultural do Brasil Reviewed by Josenildo Batista on quinta-feira, novembro 24, 2016 Rating: 5

SUNDOWN PARK EM SALOÁ /PE - AQUI A DIVERSÃO É GARANTIDA

ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM LAVADORAS DE TODAS AS MARCAS E MODELOS

COMPRE AGORA A SUA PASSAGEM AÉREA - CLIQUE NO BANNER

MAMFONLINE - SITE PARCEIRO DO JB NOTÍCIA

Anuncie Aqui!

JB NOTÍCIA © Copyright 2017. Tecnologia do Blogger.